InícioNotíciasTúnel do TempoCURIOSIDADES ITAPEVENSES: O dia que Itapeva recebeu o primeiro craque da seleção brasileira de futebol

CURIOSIDADES ITAPEVENSES: O dia que Itapeva recebeu o primeiro craque da seleção brasileira de futebol

Túnel do Tempo
CURIOSIDADES ITAPEVENSES: O dia que Itapeva recebeu o primeiro craque da seleção brasileira de futebol

Por: Nicolas Jesus

O ano era 1942, a semana entre os dias 11 a 18 de outubro do dito ano, marcou a passagem de uma das mais ilustres figuras do futebol nacional por Itapeva. Seu nome Arthur Friendereich.

Friendenreich foi o primeiro ídolo do futebol brasileiro. Começou a jogar futebol nos idos anos de 1909, construiu uma grande carreira durante sua trajetória no futebol, passando por clubes tradicionais como: Paulistano (1912,1916,1929); São Paulo (1930/1935); Flamengo (1917 e 1935); Santos (1930 e 1935); Atlético Mineiro (1933), entre outras equipes, além de vestir a camisa da seleção brasileira em diversas ocasiões. Friedenreich ao longo de sua carreira jogou ao todo 605 partidas marcando impressionantes 595 gol, com uma média de 0,98 gol por partida.

Em sua visita à Itapeva “Fried”, já havia deixado a carreira de jogador de futebol, para dedicar-se a outras atividades. Na época em que visitou a cidade, ele exercia a profissão de Inspetor da Companhia Antártica Paulista, entretanto, a paixão pelo esporte continuava, tanto que durante os dias ao qual passou em Itapeva, procurou entrar em contato com a turma do futebol local e dirigiu dois treinos, que de acordo com jornal local da época foram concorridos e bem proveitosos.

Friedenreich esteve em campo, não como jogador, mas como arbitro. Ele arbitrou o triunfo do Esporte Clube Santana sobre a equipe do 13 de maio, da cidade de Itapetininga, pelo placar de 4 a 0, jogo realizado no Estádio Itapevense campo do Esporte Clube Santana.

Por fim após uma semana “Fried” despediu-se de Itapeva e sua despedida não poderia ter sido de outra forma, ao qual foi oferecido ao ilustre visitante um churrasco acompanhado de produtos Antártica, como homenagem a companhia ao qual ele representava. Assim saudosos se despediram os itapevenses e santanistas deste craque do futebol brasileiro.